958 Metros de Tecido

Publicado em: 12/06/2012

Fim do dia no Bom Retiro. O bairro paulistano, que responde por um terço da produção nacional da indústria de confecção, vê se encerrar mais um expediente de seu incansável e tradicional centro comercial. Os sacoleiros vão embora, as portas se fecham e as ruas ficam vazias. No entanto, a região pulsa, e dentro dessas lojas, nas oficinas, trabalhadores vão costurar até o dia amanhecer.

 

Neste sábado (16), a companhia Teatro da Vertigem estreia “Bom Retiro – 958 Metros”, com direção de Antônio Araújo e dramaturgia de Joca Reiners Terron. Como já se tornou marca registrada do grupo – que já encenou em hospitais desativados, igrejas e até no Rio Tietê –, o espetáculo utiliza o espaço urbano do bairro levando a plateia para uma caminhada cênica e um diálogo com a região.

 

O projeto nasceu de uma pesquisa sobre o multiculturalismo do local. “Depois de passar um ano no bairro, produzindo o espetáculo ‘Apocalipse 1,11’, percebemos que a região ainda tinha boas histórias para contar”, relembra Elaine Monteiro, co-diretora e formadora convidada do curso de Direção da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco.

 

Essa diversidade está presente desde 1930, com a chegada dos imigrantes judeus e sírio-libaneses ao Bom Retiro. Hoje, coreanos e bolivianos povoam a região. “Depois da pesquisa, nós saímos para conversar com os moradores e comerciantes, para investigar a história e o cotidiano do bairro”, conta Eliane.

 

O desenho de luz da montagem tem assinatura do coordenador do curso de Iluminação da SP Escola de Teatro, Guilherme Bonfanti. Ele lembra que o projeto vinha sendo pensado há pelo menos um ano. “Como sempre, foi muito difícil, e, também, muito prazeroso. Nós experimentamos, pela primeira vez, o uso da imagem como fonte de luz. Eu queria fugir de refletores ou seguidores móveis, que me pareciam muito óbvios”, afirma. 

 

 

Teatro da Vertigem

 

Cidade de São Paulo, novembro de 1991. Nascia o Grupo Teatro da Vertigem. Um ano depois, passada uma temporada de pesquisa intensa, a companhia estreou com a montagem de “Paraíso Perdido”, na Igreja de Santa Ifigênia, no centro da capital paulista. A partir daí, o coletivo sempre desenvolveu um trabalho no espaço urbano da cidade e já utilizou até um hospital, o Humberto Primo, na montagem “O Livro de Jó”, de 1995. O antigo Presídio do Hipódromo serviu de cenário para “Apocalipse 1,11”, em 2000, e o Rio Tietê foi o palco do projeto “BR – 3”, em 2006. Colecionador de prêmios, o grupo já representou o Brasil no III Festival Internacional de Teatro Anton Tchekhov, em Moscou, e no Festival de Artes de Ärhus, na Dinamarca, ambos em 1995.

 

Em tempo: Roberto Audio, ator que faz parte do elenco do Vertigem, orienta o Projeto São Paulo com Arte, do Programa Kairós, da SP Escola de Teatro. A proposta do programa é realizar intervenções urbanas no entorno geográfico da Instituição, como contrapartida social dos aprendizes bolsistas.

 

Serviço

“Bom Retiro 958 Metros”
Quando: 15 de junho. De quinta a sábado, às 21h, domingos, às 19h
Onde: Oficina Cultural Oswald de Andrade
Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro
Tel.: (11) 3255-2713 / 4003-5588
Ingressos: R$ 30
www.ticketsforfun.com.br

 

Texto: Leandro Nunes