Aline Negra Silva, diretora que leva no nome um orgulho e uma luta

Publicado em: 12/03/2018

A diretora Aline Negra Silva, aprendiz egressa de Direção da SP Escola de Teatro. Foto: Erick Cardoso Bonisso Dascaraia/Divulgação

JONAS LÍRIO

Aline Negra Silva carrega no nome um orgulho. Aprendiz egressa do curso regular de Direção da SP Escola de Teatro e atriz pela Faculdade de Artes do Paraná, adotou o nome artístico depois de notar o baixo número de mulheres negras que encontrou durante sua formação – forma sutil, mas direta, de se posicionar e se fazer vista na cena teatral paulista.

“O universo do teatro é excludente, dá para contar na mão quantos diretores e diretoras negras conseguem viver só de arte, hoje”, diz. Mas isso não quer dizer que seu trabalho seja voltado a apenas essas questões. “Tenho vontade de falar de muitas coisas que ultrapassam a temática da mulher negra”, afirma.

O trabalho humano é um tópico que também norteia a obra de Aline. A aproximação com essas questões começou em 2014, quando a diretora participou de uma residência artística no Teatr Fredry, na Polônia, durante um intercâmbio oferecido pela SP Escola de Teatro. Lá, ela montou e dirigiu a peça “Confissões de um Masoquista” (foto abaixo), do dramaturgo checo Roman Sikora, que aborda a precarização dos direitos trabalhistas.

A montagem recebeu o prêmio de Melhor Espetáculo, eleito pelo público, no Festival de Koszalin Jovem Confronto M–Teatro, em 2015, e foi encenada numa versão em português no Teatro da USP (Tusp), em 2016.

Na trama da peça, um masoquista descobre que consegue satisfazer seu desejo de humilhação ao se submeter a condições de trabalho cada vez mais deploráveis. As questões que permeiam o texto instigam o pensamento criativo da diretora até hoje.

A viagem à Polônia foi uma surpresa e uma aventura para Aline, que chegou ao país sem saber o que a esperava. “A relação dos poloneses com o teatro é absolutamente diferente da nossa. Eu venho de uma escola em que se faz teatro de grupo, em que todo mundo faz de tudo, da criação do espetáculo à montagem e desmontagem do equipamento,” explica.

Na montagem polonesa, Aline Negra Silva chegou trabalhar com profissionais de extensa carreira teatral mas sem experiência com criação coletiva. O que, segundo a artista, foram obstáculos que ela precisou superar.

Naquele trabalho no exterior, Aline foi responsável por administrar uma equipe grande pela primeira vez, e isso se transformou na experiência mais importante de sua vida, “abrindo horizontes para um pensamento crítico sobre teatro e sobre o fazer teatral no nosso país.” Voltar à realidade do Brasil, no entanto, reforçou sua vontade de se aprofundar na questão do trabalho.

Hoje, ela trabalha como mediadora cultural, dedicando-se ao teatro paralelamente. No próximo semestre, Aline estreia um novo espetáculo, “Leoa na Baia”, em parceria com a dramaturga Maria Shu, também aprendiz egressa da SP Escola de Teatro. A peça, não por coincidência, discute raça e gênero dentro do mercado de trabalho.




Relacionadas:

Notícias | 20/ 09/ 2018

Mortes escritas por Shakespeare são encenadas em ‘E, com um beijo…Eu morro’

SAIBA MAIS

Notícias | 19/ 09/ 2018

Em cartaz na sede Roosevelt, peça homenageia mulheres ignoradas pela sociedade

SAIBA MAIS

Notícias | 18/ 09/ 2018

Professor da Uniarts de Zurique ministra curso de voz na SP Escola de Teatro

SAIBA MAIS

O site da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco está sob licença Creative Commons. A cópia e a reprodução de seu conteúdo são autorizadas para uso não-comercial, desde que citado o devido crédito ao site, aos autores e fotógrafos. Não estão incluídas nessa licença obras de terceiros.

Para reprodução com outros fins, entre em contato com a Escola.

Assisdesign