SP Escola de Teatro Promove Ação de Coleta de Óleo de Cozinha

Coleta de �leo funcionar� nas sedes Br�s e Roosevelt da Escola

Coleta de óleo funcionará nas sedes Brás e Roosevelt da Escola

Você faz sua comida utilizando o tradicional e indispensável óleo de cozinha e depois… joga no esgoto? No lixo? Se a sua resposta foi “sim” para qualquer uma dessas perguntas, você está fazendo isso errado, muito errado.

Isso porque ao descartá-lo dessa forma você gera uma série de problemas, a começar pela danificação de sua própria instalação hidráulica, no caso do descarte pelo ralo. Enquanto isso, a outra solução errônea pode fazer com que o óleo chegue a um lixão e escorra pela área, impermeabilizando o solo e contaminando a água de lençóis freáticos.

Sabendo de todos esses inconvenientes, que tal aderir à ação contínua de coleta de óleo de cozinha que a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco promove a partir de hoje (5). Dessa forma, as sedes Brás e Roosevelt da Instituição servirão como pontos de coleta.

A iniciativa surge de uma parceria com o Instituto Bióleo de Desenvolvimento Sustentável que, por meio do Programa Bióleo, desenvolve ações de captação do óleo de cozinha com destino à produção de biodiesel. Segundo a organização, o descarte inadequado de óleo de cozinha residual chega a 1,8 bilhões de litros ao ano.

“Entramos em contato com uma agente ambiental que trabalha aqui no Brás, questionando o que poderíamos fazer para contribuir com possíveis melhorias para a Escola e a comunidade, então ela nos apresentou o Programa. Agora, pretendemos envolver toda a comunidade que faz parte do entorno das sedes da Escola para que esta campanha cresça cada vez mais”, comenta Cléo De Páris, coordenadora do Programa Kairós.

Se você se interessou e pretende participar, é importante se atentar a algumas exigências para a coleta: o óleo deve ser depositado em uma garrafa de plástico (água, refrigerante, etc.) com tampa de rosca, bem lacrado. Não será recebido óleo em outros tipos de recipiente.

Os tambores continuarão na Escola permanentemente, e a coleta funcionará de segunda a sábado, das 9h às 18h. Assim, sempre que os reservatórios estiverem cheios, o Instituto Bióleo concluirá a coleta.

Cada galão entregue ao Instituto renderá um valor à Escola. Toda essa quantia será revertida para o projeto Escola Verde, cujos principais objetivos são a conscientização dos colaboradores acerca do papel da Instituição perante a sociedade e a prática de ideias para manutenção ambiental e social.

 

Serviço

Coleta de óleo de cozinha

Quando: A partir de hoje (5)

Onde: SP Escola de Teatro

Sede Brás: Av. Rangel Pestana, 2.401 – Brás

Sede Roosevelt: Praça Roosevelt, 210 – Centro

Tel.: (11) 2292-7988 / (11) 3775-8600

 

 

Texto: Felipe Del

Na Luta Contra o Fogo

 

Em 2 de julho de 1856, a pena de D. Pedro II marcava o documento que oficializava o Decreto Imperial nº 1.775, responsável por regulamentar, no Brasil, o serviço de extinção de incêndio. A partir de então, quando um fogo se erguia, sinos tocavam e o trabalho conjunto de várias mãos fazia com que baldes de água chegassem, vindos do poço mais próximo, para apagá-lo. A data ficou reconhecida, de 1954 até hoje, como o Dia do Bombeiro.

Passados mais de 150 anos da regulamentação dessa profissão, cada vez mais a prevenção a incêndios deve ser reforçada. Consciente da importância desse ato, a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco contratou os serviços de uma empresa especializada para ministrar um curso aos seus funcionários.

Sendo assim, na segunda-feira (25), alguns colaboradores se reuniram na Sede Brás da Escola para ter algumas aulas com a equipe da Brigada Contra Incêndio e Primeiros Socorros JS. Dentre os assuntos abordados, estavam: instruções básicas de primeiros socorros, especificidades e prevenção de cada tipo de incêndio e a forma correta de se usar o extintor.

A foto publicada na Click! de hoje foi feita naquele momento. Nela, Emerson Fernandes, que é auxiliar de operação da Instituição, aparece aprendendo a utilizar o equipamento no combate a um princípio de incêndio.

 

 Texto: Felipe Del

Paulo e Ofélia: As Árvores da Sede Roosevelt

No início deste semestre, dois novos integrantes se achegaram à Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. Duas árvores – um ipê e um pau-ferro – foram plantadas na entrada da Escola, em meio a uma festa pelo retorno das aulas. Naquele mesmo dia, a Escola decidiu dar um nome a cada uma delas. E iniciou-se a votação.

A sugestão foi homenageá-las com nomes de grandes figuras ou personagens do teatro. Os colaboradores da Instituição sugeriram alguns e uma enquete foi aberta no portal e na página da Escola no Facebook.

A primeira votação foi um nome masculino para o pau-ferro. As sugestões foram Davi, Godot, Moreno, Paulo (Autran) e Romeu. A votação seguiu acirrada até 25 de outubro, quando a vitória foi dada a Paulo (Autran), com 42% dos votos, seguido de Moreno, com 37%; Godot, com 13%; Romeu, com 5%, e Davi, com 1%.

Na semana seguinte, foi a vez de batizar o ipê com um nome feminino. Entre as opções, estavam Julieta, Ofélia, Phedra (de Córdoba), Selma Egrei e Vitória. No último dia da votação, ganhou a opção Ofélia (de “Hamlet”), com 53% dos votos. Logo atrás, ficaram Phedra, com 25%; Julieta, com 15%; Vitória, com 3%, e Selma Egrei, com 2%.

Sendo assim, a SP Escola de Teatro batiza, em nome das artes do palco, os novos integrantes da Sede Praça Roosevelt: Sejam bem-vindos, Paulo e Ofélia!

Texto: Leandro Nunes

Almoço Coletivo e Chá-de-bebê

E a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco promoveu mais um almoço coletivo no início do mês, na sexta-feira (5).

Para “abastecer” a refeição, cada setor ficou responsável por trazer um tipo de alimento. Além dos salgados, doces e refrigerantes, naquele dia, os colaboradores também organizaram um chá-de-bebê para a secretária da diretoria executiva Cibele Custódio, que está à espera do pequeno Felipe.

O projeto Escola Verde é uma ação que visa conscientizar seus funcionários acerca do papel da Instituição perante a sociedade, colocando em prática ideias que contribuam com a sustentabilidade ambiental e social.

Mais Uma Ação: As Árvores da Roosevelt

Logo que o segundo semestre letivo da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco começou, com o Território Cultural do dia 13 de agosto, uma das ações realizadas foi o plantio de duas árvores, um pau-ferro e um ipê, em frente à Sede Roosevelt da Instituição, além de várias outras mudas.

Ivam Cabral durante o plantio das mudas

Agora, a Escola fará uma enquete para saber com quais nomes serão batizadas as árvores, que foram plantadas em dois canteiros separados, com a participação de diversos formadores e aprendizes.

Primeiramente, será feito um levantamento entre os funcionários, que vão sugerir possíveis nomes. Depois, as sugestões passarão por uma pré-seleção, e, na fase final, uma enquete, aberta a todos, organizada por meio do portal e das redes sociais, definirá como elas serão chamadas.

Prêmio Cidadão Sustentável

Ivam Cabral (Foto: Divulgação)

A questão sobre como transformar São Paulo em uma cidade mais saudável, justa, solidária e democrática tem sido pauta de diversas ações e discussões que acontecem diariamente por toda metrópole. As pessoas que promovem estes movimentos em prol do bem da “Terra da Garoa” serão reconhecidas agora.

De uma parceria entre o blog Catraca Livre e a Rede Nossa São Paulo, surgiu o Prêmio Cidadão Sustentável, com a proposta reconhecer e valorizar as pessoas que realmente estão ajudando a mudar São Paulo. Os indicados ao Prêmio foram divididos em oito categorias e serão contemplados vencedores para cada uma delas. Haverá ainda um ganhador de todas as categorias, eleito pelo júri popular, e outro vencedor geral, escolhido pelo júri do evento.

As categorias são: Educação; Democracia Participativa; Saúde, Bem-Estar, Esporte; Cultura; Intervenções Urbanas; Inclusão Social; Meio Ambiente e Tecnologia, e Comunicação.

O diretor executivo da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco, Ivam Cabral que também é um dos fundadores do grupo de teatro Os Satyros e, portando, um dos responsáveis pela revitalização sócio-cultural da Praça Roosevelt, é um dos indicados na categoria Cultura do Prêmio. “É uma honra, um orgulho do tamanho do mundo estar concorrendo para um título desses e ainda por cima ao lado de ‘feras’ como essas. Estou emocionado”, diz Ivam.

Os outros nove indicados são: Alessandro Buzzo, administrador da livraria Suburbano Convicto; Alexandre Youssef, que ajudou a transformar a cidade numa incubadora de talentos musicais; Baixo Ribeiro, que usou a arte urbana para projetar a imagem de São Paulo como um polo vital de arte de rua; Danilo Miranda, sociólogo e diretor, há 26 anos, do Departamento Regional do Sesc (Serviço Social do Comércio); Eduardo Saron Nunes, que é superintendente do Itaú Cultural desde 2002, responsável pelas atividades culturais do instituto ligado ao banco Itaú, na cidade; João Carlos Martins, que leva a música erudita por toda a cidade, capacitando jovens da periferia; Robson Mendonça, ex-morador de rua que criou a Bicicloteca, distribuindo livros para moradores de rua do Centro da cidade; Sérgio Vaz, criador do Sarau da Cooperifa, e Tião Soares, idealizador do Barracões Culturais da Cidadania e um dos fundadores do fórum para as culturas populares e tradicionais – Rede nacional.

Os jurados do Prêmio são Carlos: Tramontina, âncora do SP TV (2ª edição) na TV Globo; Fabíola Cidral, âncora do CBN São Paulo; Jorge Wilheim, Urbanista; Ladislau Dowbor, professor do Núcleo de Estudos do Futuro, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), e Maria Alice Setúbal, presidente do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC).

Cronograma
Até 19 de agosto: votação para os dez candidatos de cada categoria, no site do concurso, aqui;
De 20 de agosto a 20 de setembro: votação para os três candidatos de cada categoria;
De 21 de setembro a 1º de outubro: divulgação de um nome vencedor para cada categoria. O vencedor de cada categoria será contemplado;
2 de outubro: divulgação de um único vencedor (júri popular) das oito categorias participantes;
3 de outubro:  divulgação de  um único vencedor (júri oficial do evento)  das oito categorias participantes;
6 de outubro: solenidade de premiação. Horário e local a definir.

Reciclagem de Cara Nova

Novas lixeiras para coleta seletiva da SP.

A SP Escola de Teatro tem mais novidades com as ações do Projeto Escola Verde.

Novas lixeiras para coleta seletiva foram compradas. Elas estão espalhada pelos andares da Escola e com certeza vão ajudar para que a SP possa diminuir seus efeitos no meio ambiente, afinal, esta é a intenção do projeto.

Novidades na Sala Verde

E no nosso Projeto Escola Verde as coisas não param!

A Sala Verde continua evoluindo e ficando ainda mais linda. Nesta semana, a paisagista Ieda Uehara esteve por lá e deu um toque especial no nosso cantinho. Garrafas PET foram recicladas, penduradas nas paredes e transformadas em diversos vasos suspensos. O resultado você confere nas fotos abaixo.

Jardim Suspenso

Jardim Suspenso

Memória do Encontro | 25 de maio de 2012

             Foto: Gabriel Gilio

Na reunião de hoje (25), boas notícias foram apresentadas. Alguns dos planos estão sendo finalizados e novas ideias começam a surgir. O Projeto Escola Verde é um sucesso. Os seguintes pontos foram discutidos:

  • A nossa Sala Verde está ficando pronta. Para que tudo estivesse organizado, faltavam a edícula e o piso. Ambos foram orçados, fechados e na terça-feira (29) saberemos quando o serviço será concluído;
  • No dia 20 de julho, duas árvores serão plantadas em frente à sede da SP Escola de Teatro na Praça Roosevelt. No mesmo dia, haverá a festa de encerramento dos aprendizes que estão concluindo os quatro módulos de formação dos cursos regulares;
  • O “Dia Verde” ainda aguarda o ofício da prefeitura de São Paulo e o agendamento da Pedagogia. Provavelmente, acontecerá no segundo semestre;
  • Ficou definido que a reunião será feita semanalmente e que, em todo encontro deve ser pensada uma ação para ser realizada durante a semana até a próxima sexta-feira;
  • Ainda aguardamos a resposta sobre as políticas ambientais da Secretaria do Meio Ambiente do Estado e do Sesc SP;
  • A relação com os outros projetos que habitam a sede do Brás está se concretizando. Eles serão convidados a ir à próxima reunião. Também em contato com eles, conseguimos padronizar os murais;
  • Eric Vecchione e Dione Leal ficaram responsáveis pela questão das cortinas nas salas de aula e devem ter resposta até a próxima reunião;
  • Marcelo Germano entrará em contato com as pessoas que estão andando pelo prédio para reformá-lo e discutir, se possível, a questão da cobertura no pátio da Escola;
  • Como ação imediata para a próxima semana, substituímos o próximo “Dia do Bolo”, em comemoração aos aniversariantes do mês de maio, por um almoço coletivo que acontecerá na QUINTA-FEIRA, às 12h. Cada departamento ficou com um tipo de alimento para trazer:
  1. Administrativo, Contábil, Financeiro e Comunicação: SALGADOS;
  2. Pedagogia e Extensão Cultural: DOCES;
  3. Produção: BEBIDAS;
  4. Diretoria e Programa Kairós: FRUTAS.

Até a próxima!

Memória do Encontro | 18 de maio de 2012

Mais um encontro com a intenção de dar fim às ideias propostas anteriormente foi feito. A reunião da última sexta-feira (18) trouxe novamente os assuntos inacabados e deu prazos.

  • As reformas da Sala Verde precisam estar ao menos totalmente orçadas até o fim do mês de maio;
  • Os assuntos da sede na Praça Roosevelt foram excluídos de vez da reunião, a não ser que seja essencial citá-los em determinado momento;
  • O programa de caronas entre funcionários fica como está, o site “Caronetas” não será mais utilizado;
  • O “Dia Verde”, que ainda precisa de uma resposta da Prefeitura, só será implantado quando um evento “à altura” acontecer na sede da Roosevelt. Caso contrário, a caminhada fica sem sentido;
  • Ainda aguardamos a resposta sobre as políticas ambientais da Secretaria do Meio Ambiente do Estado e do Sesc SP;
  • Foi aberta também a discussão sobre a alteração da periodicidade da reunião. Esta, atualmente, acontece semanalmente, mas foi proposto que acontecesse de quinze em quinze dias. A ideia, por enquanto, não foi discutida mais a fundo, ficando decidido que, ao menos por enquanto, as reuniões continuam semanais;
  • Lembrando que a reunião acontece toda sexta-feira, às 10h30.

 

Até a próxima reunião!